terça-feira, 23 de junho de 2020

NA SEMANA QUE COMEMORAMOS O DIA DO ORQUIDÓFILO, EIS UM BREVIÁRIO DE UM(A) ORQUIDÓFILO(A)


1º- Não devo ter mais orquídeas do que as que posso tratar bem;
2º- Devo tratá-las como entes vivos e procurar compreendê-las, o que talvez seja a meta mais importante da orquidofilia;
3º- Não devo mudar nada numa planta que está sempre progredindo e melhorando: é uma planta satisfeita e qualquer mudança poderá prejudicar seu ritmo;
4º- Devo mexer o menos possível em minhas plantas, não as trocando de lugar a todo momento. Devo lembrar-me que elas criaram um ambiente favorável e a ele se adaptaram, portanto não as devo perturbar;
5º- Devo ter cuidado com as doses de inseticida porque poderá prejudicar minhas plantas;
6º- O mesmo cuidado devo ter com a adubação: não devo exigir que minhas plantas atinjam um desenvolvimento excepcional, porque elas se desenvolverão sempre dentro de certos limites;
7º- Devo passar todo o tempo que puder com as minhas plantas, a fim de conhecê-las melhor;
8º- Devo estudar e as observar, e não apenas seguir palpites na cultura delas;
9º- Devo fazer tudo direito para me tornar um bom orquidófilo(a) e cultivador(a);
10º- Devo visitar amigos(as) orquidófilos(as) sempre levando comigo uma bela orquídea ou uma muda que lhes darão prazer;
11º- Devo olhar as plantas dos(as) amigos(as), mas não dá nenhuma opinião sobre elas, a não ser que seja solicitado(a) a fazê-lo. É próprio da vaidade humana julgar que o que se tem é o melhor;
12º- Devo dar minha opinião simplesmente procurando termos que não firam a suscetibilidade de ninguém. Devo lembrar-me que a orquidofilia é um meio de aproximação, de fazer amigos(as), não inimigos(as);
13º- Nunca devo dizer que minha planta é melhor, embora, às vezes pense assim;
14º- Devo, quando solicitado(a), dar os conselhos que me forem pedidos, bem claramente, procurando com eles orientar o(a) orquidófilo(a) novato(a), nunca me esquecendo de que já passei por essa fase;
15º- Não devo fazer segredo de nada que sei, porque devo ter sempre presente que, agindo de modo contrário, nada mais serei do que um egoísta...

Esse "Breviário" foi oferecido pelo orquidófilo Dr. Adolfo Sousa Grota, aos associados da Sociedade Bandeirante de Orquídeas, no final de uma palestra em 21 de Outubro de 1969.

(Copiado das redes sociais, em virtude da passagem do dia do Orquidófilo, comemorado em 22 de junho de cada ano).

terça-feira, 16 de junho de 2020

Rodriguezia bracteata - flores 2020

Mais uma incrível florada desta Rodriguezia bracteata; essas flores foram produzidas entre março a abril de 2020 e dessa vez teve um diferencial a mais: isto porque produziu uma belezinha de cápsula de sementes. Observei que é um período muito curto que a cápsula leva para entrar em maturação e eclodir, liberando as minúsculas sementes.

sábado, 6 de junho de 2020

377 - Orquídea: Rodriguezia lanceolata

"A Origem da espécie não é apenas uma. Já foi encontrada em diversas regiões do planeta. Em algumas delas, foi descoberta em grandes quantidades. Os locais onde a Rodriguezia lanceolata foi mais encontrada são: Panamá, Guiana, Equador, Suriname, Venezuela e sudeste do Brasil”.
“A Rodriguezia lanceolata pertence à família Orchidaceae, subfamília Epidendroideae, tribo Cymbidieae, subtribo Oncicediinae e gênero Rodriguezia”.
“’O nome do gênero da espécie é em homenagem ao botânico e médico espanhol do século XVIII, Manuel Rodriguez”.
“O cultivo da planta é considerado difícil, até mesmo por causa da sua manutenção complicada. A forma de cultivo da espécie ajuda a dificultar ainda mais o seu plantio”.
“Como já deu para perceber, a espécie é nativa da América do Sul, sendo extremamente resistente ao clima tropical de todo o continente”’.

Flores
“As flores da Rodriguezia lanceolata chamam muita atenção por causa da sua cor exuberante em rosa e até mesmo meio avermelhada. O tamanho das flores é considerado pequeno. Muitas dessas espécies chegam a ter a pétala somente com 2 cm”.
“As flores passam a brotar com um ou mais cachos para cada pseudobulbo existente na espécie, com brácteas idênticas a folha principal. A base do seu labelo é considerada uma pequena mácula branca e/ou amarelada, tendo em vista que a inflorescência será sempre mais puxada para o vermelho do que para o rosa propriamente dito”.
“Conforme o ângulo de visualização da espécie, as flores podem parecer brilhantes e translucidas. Por isso, a localização da espécie do jardim é um fator muito importante para a sua função paisagística”.

Folhas
“As folhas podem ser realmente pequenas, assim como as flores, e possuem tamanho de mais ou menos 10 a 25 cm, sendo bastante flexíveis no geral. Em sua maioria, são estreitas e lanceoladas”.

Cultivo
“Uma das dicas de cultivo mais recomendadas, seguinte sempre as suas características gerais, é aplica-las em laranjeiras e pés de goiaba com galhos finos e úmidos e que estejam [quase] sempre à sombra”.
“A espécie também pode ser facilmente cultivada dentro de casa, desde que siga alguns pré-requisitos básicos”.
§  telhado de sombreamento 70%;
§  regas abundantes durante períodos secos;
§  plantio preferencial em galhos de cafeeiros ou placas de madeira cortadas de forma mais estreita e disposta em vasos de garrafa pet, sabugos de milho ou mesmo em caixas de madeira, sendo elas guarnecidas com pedaços de coco seco dessalinizado.
“Para cultivar da forma mais eficaz possível, não se esqueça de utilizar 20% de sphagno misturado com 40% carvão e 40% de cascas moídas. Coloque tudo isso da muda da espécie em um local com 70% de sombreamento preferencialmente”.
“Uma das coisas que se deve ter muita atenção no cultivo da Rodriguezia lanceolata é que ela não tolera raízes úmidas e por isso, deverá ser plantada em cachepôs e outros recipientes feitos com madeira. Com isso, é preciso regar a espécie pelo menos a cada dois, evitando o encharcamento”.
“O substrato da espécie deverá estar bem seco para que as regas voltem a ser feitas de forma constante. As regas e a adubação devem ser frequentes. Também podem se retirar os substratos dos cachepôs, mas observe se a sua espécie vai se desenvolver bem nessas condições[i]

Observação endógena: esta foi a minha segunda tentativa com o cultivo desta Rodriguezia e, finalmente, deu certo. A mudança em relação ao primeiro cultivo (o qual perdi uma muda) é que estava plantada num vaso de plástico e desta vez resolvi plantar a nova muda adquirida, num toquinho. As flores duraram poucos dias, mas acredito que o espetáculo mesmo será quando ela for uma touceira e vier a produzir em grande quantidade.

Amigos e Seguidores