quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Lc. Gold Digger 'Mandarin' - flores 2019

Mais uma espetacular floração deste híbrido (resultado do cruzamento entre Lc. Red Gold X Lc. Warpaint), o qual floresceu em dois pseudobulbos, num total de 06 belíssimas flores, de um amarelo incrível, entre julho e agosto deste ano.

quarta-feira, 11 de setembro de 2019

Catasetum uncatum - flores 2019

Esta é uma daquelas orquídeas que, em boas condições de cultivo, floresce religiosamente todos os anos, especialmente no primeiro semestre (pelo menos aqui na nossa região). Em 2019, as flores ocorreram entre março e agosto, em pelo menos 3 hastes florais consecutivas de apenas um pseudobulbo, somando quase 80 flores (sendo todas elas flores masculinas). Geralmente são as condições climáticas que direcionam se as flores serão masculinas ou femininas, pode ainda ocorrer uma mesclagem de flores masculinas e flores femininas numa mesma haste, o que vai favorecer a produção de cápsulas de sementes.

sexta-feira, 6 de setembro de 2019

Lc. MEM. Dr. Peng "Deep" - flores 2019

Este ano foi apenas um pseudobulbo em floração, num total de 3 flores incríveis, ocorrendo entre julho e agosto do corrente ano.
Como é do conhecimento de todos, a maioria dos híbridos se traduz em plantas mais resistentes, de florações mais atraentes (seja pela tamanho ou mesmo pelas cores e perfume), podem vir a florir mais de uma vez ao ano e geralmente são orquídeas precoces e que podem entoucerar mais rapidamente do que uma espécie, por exemplo.
Este híbrido de Lc. MEM (Memória) Dr. Peng "Deep", reúne tudo isso é mais um pouco: fácil cultivo; boa adaptabilidade em diferentes climas, bem como em formas de cultivo; bom crescimento e precocidade na produção de flores; flores grandes e muito belas, com cheiro ameno e agradável.

sexta-feira, 30 de agosto de 2019

303 - Orquídea: Paphiopedilum leeanum

"Orquídea de crescimento monopodial, com tamanho de até 15 cm de folhas estreitas e flexíveis, com a nervura central bem marcada. As flores de 6 cm a 9 cm têm formato exótico, onde o labelo se assemelha a um queixo ou sapatinho (por isso o nome popular: sapatinho ou queixuda). As flores são solitárias em longa haste de até 15 cm e permanecem por longo tempo, por até mais de 20 dias".
"Floresce da primavera até o verão, dependendo da região onde está sendo cultivada. Um grande número de espécies é encontrado e faz grande sucesso em exposições e nas floriculturas. Necessitam de cultivo sob ripados com sombreamento em torno de 50% e toleram temperaturas desde os 10º aos 30º, logo podendo ser cultivada em todo o Brasil. O substrato de cultivo deve ser bem poroso. Apesar de terrestre, o solo mineral comum não deve ser usado, pois tende a compactar e impedir que as raízes cresçam e respirem. O ideal é forrar o vaso com pedrisco, brita ou argila expandida e preenchê-lo com uma mistura de casca de coco, pinus, carval mineral, esfagno ou musgo e um pouco de terra vegetal".
"Esta orquídea não possui pseudobulbos e caule, portanto, não é capaz de armazenar água e nutrientes, necessitando assim, que o substrato seja poroso e levemente úmido (não encharcado). Se cultivado dentro de casa e não num ripado, deve-se redobrar a atenção no que se refere a regas e a luminosidade".
"Por fim, é uma orquídea de fácil cultivo tem suas folhas muito atraentes (independentemente de estar ou não com flores), constituindo um belo adorno para cultivo em sacadas e ambientes internos com boa luminosidade"[i].

Observação endógena: esta orquídea foi fruto de mais uma daquelas trocas bem sucedidas com uma simpática orquidófila de Maceió/AL, a qual ocorreu em setembro de 2016. A haste floral se iniciou em meados de junho deste ano e em julho a bela flor já estava aberta, perdurando até mais ou menos a primeira semana de agosto.
É uma orquídea originária da Tailândia.


[i] Disponível em: http://www.fazfacil.com.br/jardim/orquidea-paphiopedilum/ Acesso em set. de 2016.

sexta-feira, 23 de agosto de 2019

V Bienal de Orquídeas do Nordeste e EXPOSORN 2019

Panfleto alusivo a V Bienal de Orquídeas do Nordeste (inclusa na EXPOSORN 2019), que ocorrerá de 23 a 25 de agosto deste ano, no Parque do Museu Câmara Cascudo, com exposições, palestras, oficinas, minicursos e venda de orquídeas, tudo isso na capital do Rio Grande do Norte, em Natal.

terça-feira, 13 de agosto de 2019

Cattleya chocolate drop - flores 2019

Segunda floração desta Cattleya chocolate drop, ocorrida entre abril e maio deste ano. de certa forma repetiu a mesma beleza, robustez e brilho em suas pétalas e sépalas,  formando um belo efeito luminoso em suas flores, assim como aconteceu ano passado (na sua primeira floração).
Como dito na primeira postagem (publicada ano passado), foram quase 07 anos de espera desde a sua aquisição (ainda uma muda muito pequena) até a produção das primeiras flores. E valeu muito a pena esperar...

terça-feira, 6 de agosto de 2019

Cattleya walkeriana tipo - flores 2018.2

Pela segunda vez no ano de 2018 essa minha Cattleya walkeriana tipo produziu essas quatro flores (sendo duas por pseudobulbo), de uma beleza e capricho incríveis.
Como se pode ver, ela está sendo cultivada em um vaso de argila, com substrato comum para epífitas: casca de pinus, sphagnum e carvão vegetal, com uma camada inicial (na base) de argila expandida. A adubação continua sendo de maneira irregular, com adubo tipo bokashi.

segunda-feira, 29 de julho de 2019

Bc. maikai mayumi - flores 2019

Bc. Maikai mayumi é um dos mais incríveis híbridos, o qual qualifica e embeleza qualquer coleção de orquídeas, seja profissional ou caseira (vamos dizer assim). Além de ser resistente a diversas pragas (mais comuns em qualquer outro híbrido ou mesmo na maioria das espécies), se trata de uma planta que rapidamente forma touceira e o mais bacana: floresce muito, praticamente em qualquer época do ano, em lindos buquês coloridos e suavemente perfumados. Outra coisa, os botões florais também são muito bonitos porque há um pintalgado bem interessante, exatamente no verso das pétalas e sépalas.

terça-feira, 23 de julho de 2019

7 - Bicharada no Orquidário

Um pequeno inseto (por mim não identificado) no destacável labelo da Epicattleya René Marques 'Flame Thrower'.
Este é mais um diversificado registro em relação aos bichinhos (alguns inofensivos outros ofensivos para a boa harmonia no cultivo de orquídeas e bromélias) e que aparecem frequentemente no interior do orquidário ou no seu entorno. Desta vez temos pequenos insetos, tais como: formigas, abelha, vespa, libélula, borboleta e para variar, uma rã.
A última postagem sobre o registro da Bicharada "encontrada" no orquidário foi feito justamente em julho de 2017, há cerca de 2 anos atrás, veja AQUI.
Formiga visitando os botões florais do Epidendrum ballerina 'fireball'.
Rã buscando explorar as estruturas do orquidário.
Abelha arapuá adentrando a um labelo floral de Catasetum macrocarpum de outra variação.
Inseto (por mim não identificado) sobre uma folha de Cattleya híbrida.
Vespa na haste floral do Oncidium cebolleta.
Libélula no ápice de uma Papilionanthe teres.
Borboleta arisca em meio a estrutura de uma Potinara.
Formiga no labelo da Bc. maikai mayumi.
Outra formiga passeando sobre o botão floral da Cattleya walkeriana tipo.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Amigos e Seguidores